Phoenix New Times: “Os fãs de Twenty One Pilots são realmente fanáticos”
Compartilhe esta notí­cia:
Compartilhe:

O jornalista Mitchell Hillman, do site Phoenix New Times, esteve presente no show do Twenty One Pilots na última terça-feira no Comerica Theatre, em Phoenix nos Estados Unidos. Confira abaixo a extensa crítica da experiência que é assistir a um show da banda.

Depois de uma hora e meia após a abertura da banda Echosmith, o Twenty One Pilots estava quase pronto para subir ao palco. Se tivesse algum assento vago no Comerica, não tinha mais. O lugar estava lotado, as grades transbordando para os corredores. Cada staff recebeu um grande round de aplausos enquanto estavam montando o palco. A antecipação foi palpável e quando o lugar ficou escuro, o público surtou (no bom sentido) coletivamente. Durante os próximo 100 minutos, o duo Tyler Joseph e Josh Dun prenderiam a atenção de todo mundo no local.

Twenty One Pilots explodiu no palco com a abertura do seu álbum número #1. Assim que o show começou, 90% do público cantou junto com eles cada palavra de “Heavydirtysoul”. A música nem mesmo é um single. Num movimento surpresa, eles foram direto para o seu mais recente hit das rádios alternativas “Stressed Out” para o prazer de, bem, todo mundo. Eu fiquei um pouco preocupado com o duo colocando uma energia enorme em um show, a necessidade de faixas de apoio, etc. Eu não tinha nada para me preocupar; Joseph e Dun são mestres no palco, além de seus talentos musicais e a magia lírica. Enquanto Joseph tinha apenas tocado pandeiro na abertura, ele brincou com o piano no palco durante essa música, mas em grande parte ficou com o microfone e pulando pelo palco. Acabou com um lindo reprise com Joseph no piano e a galera continuava cantando. Eu estava começando a me perguntar se eles iam tocar o álbum inteiro, mas foi quando esse pensamento parou.

“Guns For Hands” foi a primeira música que eles tocaram no set do álbum de 2013, Vessel, e o público continuou enlouquecido enquanto cantavam juntos. Ela foi seguida por uma outra música ótima desse mesmo álbum, “Migraine”, que no caso, a galera cantou metade da música para a banda. Nesse ponto o público estava muito além do que fervendo, e a banda parecia alimentar isso. Joseph pegou o baixo para “Polarize”, uma das minhas músicas favoritas do novo álbum, e ficou claro que ele é mais do que um vocalista. Era uma capitulação deslumbrante da música, em termos inequívocos. Começando com um solo de bateria feito por Dun, “House of Gold” foi outro pedido do público, mas, novamente, cada música parecia ser um pedido do público, não importava de onde eles tirassem a música.

Essa foi aparentemente a hora de Joseph arrasar com o ukulele, provavelmente o instrumento mais improvável em seu arsenal, e estranhamento um dos mais eficazes para essa banda. Com o ukulele, ele performou um cover sentimental de “Can’t Help Falling In Love With You”. Ele começou “The Judge”, uma das melhores músicas do novo álbum, com o ukulele e terminou ela no piano. Foi uma das melhores performances da noite. “Lane Boy” veio logo em seguida e eles intensificaram o palco com um entalhe, primeiramente com efeitos de vídeo de caras em roupas de materiais perigosos e máscaras contra gases dançando – tudo de acordo com a letra. Foi fascinante assistir a banda enquanto eles transitavam sem problemas entre o ukulele e o piano, então do hip-hop, indie rock e pop. Eles estavam em todos os lugares e a platéia não se cansava disso.

Após um momento de escuridão no palco, Dun, de repente, foi para um novo palco com um kit de bateria bem menor e Joseph estava de frente a um teclado. Nesse arranjo, eles fizeram um medley das músicas antigas que incluiam “The Pantaloon,” “Semi-Automatic,” “Forest,” “Screen,” “Ode To Sleep,” e “Addict With A Pen.” Na verdade, foi uma maneira muito brilhante de lidar com sua músicas do antigo set, de um modo inesperado e criativo. Ainda que algumas das músicas fossem mais velhas que o Vessel, o público sabia cada uma delas, mesmo aquelas que não podem ser encontradas no YouTube. Eu não tenho certeza se eu estava mais impressionado com a banda ou com a lealdade incrível da platéia até esse ponto. Eles voltaram aos dias atuais com “Doubt” e Dun voltou para seu kit completo misteriosamente durante a música enquanto Joseph atraía o público para cantar junto com ele. A banda continuou sem pausa para “Message Man”, que foi rapidamente coberta pelas sombras de “Holding On To You” do Vessel, no qual ambas foram impressionantes musicalmente e psiquicamente. Ambos os membros tiveram um de seus mais espetaculares momentos durante essa música, Joseph surfou na platéia, tocou uma das melhores coisas da noite no piano enquanto Dun mostrava que ele podia jogar baquetas 15 vezes e imediatamente fazer um back flip. Uma pequena garota pegou a baqueta e então deixou ela cair – um dos momentos mais fofos para mim foi quando a garota atrás dela achou e devolveu para ela. A pequena garota chorou durante o resto da música de pura alegria.

Joseph pegou o baixo para a música influenciada de reggae/calypso “Ride”, que é empurrada ainda mais para um reino abençoado por seu rap supersônico. Ela acabou com um suporte com a bateria sendo trazido pelo staff até Dun para colocar sobre os fãs enquanto eles seguravam ele no alto. Eles foram para a minha música favorita do Vessel depois disso; De acordo com Joseph, “The Run and Go” é também a música favorita do pai dele. No final da música, Joseph fez com que as pessoas subissem uma nos ombros das outras e pulassem – uma vista impressionante. Depois de se recuperarem, Joseph sentou no piano e eles foram direto para outro hit recente dos rádios, “Tear In My Heart”, e “arrancaram o telhado” com ela. As pessoas agora estavam gritando durante as músicas, eu imagino que terão muitos adolescente roucos no colégio na quarta-feira. Era uma versão brilhante e parecia haver uma grande alegria durante sua entrega – não apenas pelo público, mas também por parte da banda. Joseph sugeriu que a próxima música seria a última, a menos que o público pedisse o oposto e se lançou para a incrível “Car Radio”. Ele correu até o público e escalou uma torre, finalizando a música e o set de lá.

Após uma breve pausa, eles se curvaram às exigências de seus fãs que cantavam e voltaram para um bis de duas músicas, “Goner” e “Trees”. A última foi um final fantástico pontuado pelos dois membros da banda escalando plataformas que foram feitas pelos fãs enquanto eles batiam em bumbos enquanto confete explodia ao redor deles. Foi um final espetacular que se encaixou perfeitamente a um verdadeiro show espetacular, em que o público não parou nenhuma vez de cantar com eles.


Comentários

26/07/2017 twenty one pilots aparece em lista dos 75 momentos mais marcantes da música no Século 21 A Billboard listou os 75 momentos da música que marcaram a década até agora e o twenty one pilots marcou presença por lá....

19/07/2017 Josh agradece prêmio no APMAs e dá suposta dica sobre Tyler Nesta segunda-feira rolou o APMAs, premiação comandada pela Alternative Press e que dá destaque à bandas do gênero...

29/06/2017 twenty one pilots aparece em lista de bandas que “não precisam de palco” A AltPress listou 8 vezes em que bandas literalmente não precisam de um palco para fazer um show. Dentre elas, o twenty one...

28/06/2017 Comentário da banda Smash Mouth incomoda fãs de twenty one pilots Um recente comentário no Twitter oficial da banda Smash Mouth causou desconforto entre os fãs de twenty one pilots. Uma...

26/06/2017 Até logo, twenty one pilots Acabou. É difícil dizer, mas acabou. Não acabou pra sempre, mas despedidas nunca são fáceis e em alguns momentos são...

26/06/2017 “Stressed Out” bate 1 bilhão de visualizações no Youtube O videoclipe de um dos singles mais adorados do twenty one pilots, "Stressed Out", alcançou a marca de 1 bilhão de...

JOSH DUN / baterista
@joshuadun
TYLER JOSEPH / vocalista
@tylerrjoseph

Instagram